Hoje é:

  Blogue diário Notícias do Pedal,tudo sobre bicicletas em: revistanoticiasdopedal.blogspot.pt -»  Clique...
 

Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
 
 
 
Ciclismo
 
 

“Chefe da Deceuninck-Quick-Step fez balanço da época e João Almeida... ficou esquecido”
Patrick Lefevere elencou os sucessos e resultados e o português não entrou na conversa

Por: Record
Foto:
Reuters
João Almeida deu à Deceuninck-Quick-Step alguns dos melhores resultados da sua temporada, com duas vitórias finais em provas por etapas e ainda um 6.º lugar no Giro'2021 como destaques, mas para o patrão da equipa belga esses registos não entram nos melhores momentos da época. Pelo menos é isso que se pode entender pela análise feita por Patrick Lefevere ao site oficial da formação que no próximo ano se passará a chamar Quick Step-Alpha Vinyl.
"A partir do momento em que a época arrancou, começámos logo a ganhar. Depois desse momento nas Clássicas, que podemos dizer que foi mais do que bem-sucedida, o Julian [Alaphilippe] deu-nos outro fantástico momento na Flèche Wallonne. Venceu depois três provas antes dos Mundiais. E todos sabemos que correr com a camisola arco-íris não é fácil, porque todos olham para ele e ninguém o deixa andar. E há cinco anos não tinhas o Van Aert, Van der Poel, Pogacar ou Roglic. Se vires a qualidade das vitórias, podemos dizer que esteve bem: uma etapa no Tirreno-Adriatico, a Flèche Wallonne e a primeira etapa do Tour, que nos deu a camisola amarela. E depois, a colocar a cereja no topo do bolo, foi a revalidação do título mundial", começou por lembrar.
Lefevere passou depois para os regressos da época, nomeadamente Mark Cavendish, Fabio Jakobsen e Remco Evenepoel. No caso deste último, o polémico diretor da equipa belga apelidou o sucedido no Giro'2021 como algo criado por pessoas externas. "Teve um retrocesso na recuperação, pois teve de parar o treino no início do ano, o que foi muito complicado. Depois veio o Giro, onde cometemos o erro de acreditar na história que foi criada em torno dele. Foi uma experiência única, da qual aprendemos muito. Creio que o Remco está quase de volta à sua antiga forma, a voltar a ganhar e a fazer o que fazia antes - fugir do pelotão a solo. Com um bom inverno, creio que ele pode dar um passo em frente. Não nos podemos esquecer que faz 22 anos em janeiro".
"Estou muito orgulhoso. Se fizerem as contas, acabámos em 151 ocasiões no top-3, num total de 260 corridas. E nem vamos contar o mundial do Julian e os critérios, que não esquecemos. 18 dos nossos ciclistas ganharam uma corrida, o que é muito bom. Sempre foi essa a minha tática, funciona e é uma das razões que leva ciclistas a quererem juntar-se a nós. É a chave do nosso sucesso", assumiu o belga, que apenas falou de João Almeida quando assumiu a vontade de ganhar um Grand Tour: "É uma prova imprevisível, em 21 dias pode muita coisa acontecer e tens de ter sorte. No ano passado o Almeida, que era neo-pro na altura, vestiu de rosa durante 15 dias e acabou em quarto".
O ciclista português, recorde-se, vai deixar a equipa belga no final da presença temporada e mudar-se para a UAE Emirates de Tadej Pogacar, onde estão igualmente Rui Costa, Ivo Oliveira e Rui Oliveira.
Fonte: Record on-line

 
  Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
Revista Notícias do Pedal

 

Copyright © 2021 - ® Revista Notícias do Pedal - Todos os Direitos Reservados
Este site está optimizado para ser visualizado em 1347x533