Hoje é:

  Blogue diário Notícias do Pedal,tudo sobre bicicletas em: revistanoticiasdopedal.blogspot.pt -»  Clique...
 

Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
 
 
 
Ciclismo
 
 

“Seleção Nacional/ Campeonato do Mundo de Estrada dia 5.1”
António Morgado sofre e resiste para conquistar lugar de destaque

Por: José Carlos Gomes
António Morgado conquistou o segundo melhor resultado de sempre para Portugal em provas de fundo para juniores em Campeonatos do Mundo, sendo o sexto classificado na corrida de 121,8 quilómetros, disputada em Lovaina, Flandres, Bélgica.
Num circuito plano, apenas com quatro topos mais exigentes a quebrarem o ritmo, a alta velocidade foi a maior dificuldade enfrentada pelos corredores portugueses. A média final, superior a 44,6 km/h atesta a exigência da corrida, na qual as seleções mais rodadas internacionalmente tiveram a vantagem da experiência.
António Morgado e Gonçalo Tavares foram os ciclistas portugueses que se adaptaram melhor às adversidades, permanecendo no pelotão da frente. No entanto, acabaram sujeitos a um desgaste adicional, pois nas fases planas da prova não conseguiam manter-se bem posicionados, tendo constantemente de recuperar posições no seio do grupo.
Apesar deste trabalho de constante recolocação, António Morgado teve forças para inserir-se no sprint pelo quarto lugar, uma vez que os três primeiros pedalavam já adiantados na discussão das medalhas. O ciclista das Caldas da Rainha soube explorar a roda dos adversários na reta da meta, em ligeira subida, sprintando para o sexto lugar, o segundo melhor de sempre para o país em provas de fundo para juniores dos Mundiais, apenas suplantado pelo quinto posto de Daniel Freitas, em 2009, na Rússia.
António Morgado cruzou a meta a 24 segundos do norueguês Per Strand Hagenes, que concluiu a prova isolado, ao fim de 2h43m48s. O segundo classificado foi o francês Romain Gregorie, a 19 segundos, ficando o terceiro posto para o estoniano Madis Mihkels, que vinha em fuga, mas cortou a meta com o mesmo tempo do pelotão principal, 24 segundos depois do vencedor.
“Toda a corrida foi muito difícil. Nunca me senti muito bem, mas consegui mentalizar-me que tinha de sofrer. Foi uma prova sempre de grande sofrimento. Andei sempre na parte de trás no pelotão, mas como era uma corrida de eliminação, fui eliminando alguns adversários. Cheguei a descolar mais do que uma vez, mas consegui agarrar-me ao grupo. No final coloquei-me bem e dei tudo no sprint”, descreve António Morgado.
Gonçalo Tavares também ficou a 24 segundos do campeão mundial, no 22.º lugar, após uma corrida, à semelhança da de António Morgado, em que a colocação foi a grande pecha. “Conseguia manter-me dois ou três quilómetros bem colocado, mas, de repente, já estava para trás outra vez. Nas subidas era quando conseguia subir mais no grupo, mas depois a descer e no plano, acabava sempre por ficar fechado. Foi uma corrida de muito sofrimento. Tanto aqui como no europeu aconteceu-me algo que nunca tinha sucedido: só queria que a corrida acabasse. A cada volta, eu pensava ‘só falta mais uma’”, confidencia o ciclista de Proença-a-Nova.
A prova dos outros dois portugueses ficou marcada por quedas. Diogo Pinto ficou “cortado” na sequência de uma queda logo nos quilómetros iniciais, não conseguindo recolar ao pelotão, devido à velocidade extremamente elevada do grupo. Lucas Lopes fez as duas primeiras voltas entre os melhores, sempre bem posicionado, mas sofreu ele próprio duas quedas que o fizeram perder irremediavelmente o contacto com a frente de corrida. Devido ao atraso acumulado, os dois corredores foram obrigados a abandonar, contando-se entre os 81 desistentes.
Fonte: Federação Portuguesa Ciclismo

 
  Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
Revista Notícias do Pedal

 

Copyright © 2021 - ® Revista Notícias do Pedal - Todos os Direitos Reservados
Este site está optimizado para ser visualizado em 1347x533