Hoje é:

  Blogue diário Notícias do Pedal,tudo sobre bicicletas em: revistanoticiasdopedal.blogspot.pt -»  Clique...
 

Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
 
 
 
Paraciclismo
 
 

“Luís Costa: «Fiz a primeira volta demasiado forte e paguei por isso»”
Português terminou contra-relógio da classe H5 no sétimo lugar

Por: Lusa
Foto:
Lusa/EPA
O ciclista Luís Costa considerou que a prova de contra-relógio H5 dos Jogos Paralímpicos Tóquio'2020, na qual foi sétimo classificado, "não correu tão bem como queria", admitindo que ambicionava o quinto posto.
"Não correu tão bem como eu queria, não foi fácil. Tinha uma estratégia preparada para as três voltas, acabei por fazer a primeira demasiado forte e paguei por isso nas segunda e terceira", afirmou o ciclista algarvio, que conclui a prova com o tempo de 42.42,18 minutos, a 4.29,24 do vencedor, o holandês Mitch Valize.
Luís Costa, que compete numa handbike, explicou que, a meio da prova, disputada em três voltas de oito quilómetros ao Autódromo Internacional de Fuji, "minimizou" os danos causados pelo ataque da primeira volta.
"A meio, minimizei os danos, pois apanhei o atleta norte-americano e fui ao ritmo dele", afirmou Luís Costa, que nos Jogos Rio'2016 foi oitavo classificado no contra-relógio.
Após a prova da classe C2, Telmo Pinão, que não tem parte da perna esquerda, mostrou-se satisfeito com o 11.º lugar conseguido com o tempo de 41.56,90, a 7.17,12 do vencedor, o australiano Daren Hicks.
"Não é a minha especialidade, estou muito contente com a minha prestação" disse o ciclista de Coimbra, acrescentando: "As primeiras voltas fluíram sem erros, mas última penei", acrescentou.
Pinão considerou que seria "difícil" repetir o oitavo lugar que conseguiu na na prova de 3.000 metros de perseguição individual, disputada no Velódromo de Izu.
"Pelo que conheço dos adversários, estava no limite para chegar ao diploma. Tirando o erro da última volta, não sei se daria para chegar ao oitavo lugar, talvez nono", disse.
O atleta, da equipa de ciclismo adaptado da Efapel, garantiu estar "bem, e preparado" para a prova em linha, marcada para quinta-feira, mas lembrou que a competição vai juntar atletas das categorias C1, C2 e C3, com diferentes graus de incapacidade.
"Estou muito bem para disputar a prova, essa é a minha especialidade. Se fosse só a minha classe [C2] era uma coisa, mas vão ser as três classes juntas e isso é ingrato", explicou, acrescentando que o objetivo na prova, que será disputada numa distância de 80 quilómetros, "é ficar nos oito primeiros".
Fonte: Record on-line

 
  Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
Revista Notícias do Pedal

 

Copyright © 2021 - ® Revista Notícias do Pedal - Todos os Direitos Reservados
Este site está optimizado para ser visualizado em 1347x533